Friday, September 07th, 2012 | Author:

O paisagista Raul Cânovas diz que se lembra bem de seus tempos de infância em Buenos Aires quando sua avó preparava saladas com um “marinho delicioso”, a nossa conhecida beldroega. Segundo suas observações, não poderíamos chamar essa e outras plantas espontâneas de ervas daninhas, pois tudo tem uma função na natureza. “As espontâneas ou nativas possuem uma vitalidade impressionante. São quase imunes às doenças que atacam a maioria das outras plantas, além de ótimas ao paladar.”
Paisagistas, biólogos, agrônomos quase sempre têm uma unanimidade: o conceito de daninha existe porque elas nascem em profusão e podem atrapalhar o cultivo de outras. Mas tudo é uma questão de manejo. Se retirarmos apenas o excesso das espontâneas, todas poderão conviver no mesmo canteiro ou jardim. Quanto à estética é mais uma questão cultural. “Existem estilos de jardins que mesclam vários tipos de plantas e são lindos, vigorosos e até mais saudáveis”, ressalta ainda o paisagista.

Categoría: Plantas epifitas
Você pode acompanhar os comentários desse post através do RSS 2.0 feed. Você pode ou mandar um, or trackback do seu site pra cá.
Deixe um comentário » Log in