Arquivado em la Categoría » Cuidar das plantas «

Wednesday, August 07th, 2013 | Author:

Com cuidado, retire a touceira do vaso e tire o excesso de terra até que as mãos toquem as raízes da planta.
Utilizando a tesoura de poda, corte as raízes, separando as mudas. Nesta fase, não tente separar as raízes com as mãos para não quebrar a planta.
Retire as mudas cortadas, separando-as delicadamente uma a uma.
No replantio, preencha o fundo do vaso com argila expandida.
Corte a manta de bidin com um tamanho pouco maior que o do fundo do vaso e a posicione sobre a argila.
A seguir, complete 2/3 do vaso com o substrato.
Posicione a muda de lírio-da-paz sobre a terra e complete o vaso com substrato, cobrindo a raiz.
Pressione o substrato com as mãos para fixar bem a muda replantada.
Imediatamente após o replantio, regue o vaso com água limpa e fresca. Molhe bem para assentar o substrato.

Tuesday, July 30th, 2013 | Author:

A rainha das mudas:
Entre todas as espécies que requerem divisão periódica de touceiras, as variedades de lírio-da-paz são as mais exigentes. Novas mudas aparecem com bastante intensidade nos vasos e merecem atenção especial para que se desenvolvam de forma saudável. Uma planta muito popular, de cultivo comum em ambientes internos bem iluminados ou mesmo em áreas externas sombreadas, o lírio-da-paz tornou-se uma das espécies preferidas nos jardins domésticos por ser duradouro, demandar poucos cuidados e apresentar folhas de textura e brilho especiais. Além disso, suas brácteas – conhecidas por flores – aparecem com freqüência em tons que vão do branco-puro ao esverdeado. Apesar de resistentes, as variedades da espécie devem ser mantidas sempre úmidas e as mudas, replantadas assim que houver excesso de folhas no vaso.

Thursday, July 18th, 2013 | Author:

Plantas Tropicais:
“Gostaria de saber mais sobre algumas plantas que se adaptam melhora região praiana”
Para regiões à beira-mar, devemos optar por espécies nativas da Mata Atlântica ou de regiões semelhantes, pois suportam o calor e a alta umidade do ar. Para cultiválas no jardim, tenha muito cuidado com o solo, pois estas plantas, na maioria, exigem terrenos ricos em matéria orgânica e bem drenado. Observe estes detalhes para obter sucesso em seus cultivos. Veja algumas sugestões: palmeira rafis (Rhapis excelsa), bromélia-imperial (Alcanfarea regina), beijo turco (Ipatiens walleriana), alamanda amarela (Allamanda cathartica) – esta é especial para o seu caso – ou as diferentes helicônias, tão lindas e resistentes.

Wednesday, July 10th, 2013 | Author:

Saiba como cuidar melhor de sua planta:
“Há controvérsia sobre a verdadeira identidade dessa planta”. A frase que ilustra um dos mais respeitados catálogos de botânica do Brasil, publicado pelo Instituto Plantarum, define com precisão o temperamento das bromélias. Típica da América Tropical, a família bromeliaceae possuiu 3.000 espécies diferentes e figura nos mais variados hábitats, de restingas a grandes altitudes. Populares no Brasil, onde 1.500 delas estampam a flora nativa, algumas possuem o fruto comestível e fornecem fibras. Todavia, são especialmente cultivadas como ornamentais, pois se adaptam com facilidade a diferentes condições ambientais.
Luminosidade: as bromélias são herbáceas solares, apreciam muita claridade com luz difusa. As espécies ideais para dentro de casa são as de folhas macias, lisas e esverdeadas, pois são mais sensíveis ao Sol. Para varandas e jardins, as plantas de folhas duras, cinzentas ou avermelhadas são as mais indicadas.
Regas: em ambientes fechados, recomenda-se que a rega seja de duas a três vezes por semana, sempre borrifando folhas e raízes. Em gramados ou jardins, as plantas geralmente acumulam água da chuva. Logo, não é necessário o regadio ou pratinhos debaixo dos vasos.
Plantio: para plantálas, enterre apenas o suficiente para manter as folhas da base acima do solo. A raiz da bromélia tem função mais de sustentação do que nutrição. Para facilitar a drenagem dos vasos use pedrinhas, brita ou caco de cerâmica no fundo.
Floração e brotos: o ciclo de floração das bromélias é único. As sementes são levadas pelo vento ou com a ajuda de alguns insetos, pássaros e mamíferos. Os brotinhos podem ser replantados desde que tenham metade do tamanho da plantamãe. Para destacálos, pressione rente a base ou corte com uma faca.
Adubação: a principal fonte de nutrientes das bromélias são as folhas que caem em seu copo (cone) e se decompõem na água. Utilize adubo no caso de plantas em ambientes fechados. Borrife a cada 15 dias o correspondente a uma colherzinha de café em um litro de água. Evite o procedimento no inverno.

Saturday, October 27th, 2012 | Author:

Para a escolha das espécies que compõem o jardim, Adriane explica que foi necessário avaliar alguns aspectos. “Levei em consideração a fácil manutenção e as diferentes formas, texturas, cores e volumes”, conta. “As plantas escolhidas proporcionam movimento e leveza ao local”, acrescenta.
Outro ponto de destaque da área externa é o projeto de iluminação, instituído para valorizar as plantas ao redor da piscina e da hidromassagem, promovendo não só um show à parte, mas, ainda, permitindo a utilização do espaço a qualquer hora. Sobre isso, Adriane diz que um local bem iluminado é fundamental, pois, de acordo com ela, enaltece o trabalho paisagístico e cria sensações de aconchego e diferentes ambientes cenográficos, que vão do alegre ao mais dramático. “Exploramos bem o quesito iluminação neste jardim. Além dos spots com lâmpadas Par 38 e Par 20, utilizados nas plantas, empregamos um sistema com fibra ótica na piscina, hidromassagem e para balizar os caminhos”, detalha. Quanto ao grau de beleza obtido, Adriane diz que a escolha de espécies apropriadas decorre, sobretudo, do necessário estudo do espaço antes de dar início à execução do projeto. “Isto é fundamental, pois só assim é possível planejar o jardim da maneira correta, verificando o tipo do solo, a topografia do terreno, a insolação, a arquitetura e a iluminação, por exemplo. Com isso, o resultado é muito melhor.

Saturday, August 04th, 2012 | Author:

Além de todos os seus encantos, as espécies vegetais funcionam no projeto também como um bloqueio natural, fazendo com que a privacidade da área externa fosse mantf&a. Um cuidado especial foi tomado para manter a mata nativa da região, sem destruí-la ou prejudicá-la. A vegetação existente no terreno foi aproveitada e outras novas foram implantadas. Como moldura do espaço, a grande área gramada o valoriza e traz amplidão

Wednesday, June 13th, 2012 | Author:

Jardins em banheiros têml sido cada  vez mais utilizados pelos amantes da natureza. E não é por acaso. A idéia de contar com um colorido a mais numa área quase sempre sem vida, impulsionou a buscai por projetos desse tipo.
Mas tomar um banho relaxan-te contemplando uma bela paisagem requer um bom planejamento antes de implantar o jardim. Diferente de todos os outros cômodos da casa, o banheiro geralmente é um ambiente sem muita iluminação, úmido e com temperaturas que variam muito, em função do vapor da água quente utilizada no banho. Por isso, além de um projeto arquitetônico adequado, deve-se escolher espécies resistentes a estes fatores.

Wednesday, April 18th, 2012 | Author:

A intenção de usar tais elementos como adubo é louvável, pelo reaproveitamento de produtos tão ricos. Com exceção da cinza, eles não devem ser usados “in natura”, somente após ter passado por um processo de decomposição. Um composto, quando adicionado ao solo, deixa-o mais aerado, mais fofo, e com uma maior capacidade de absorver! umidade, micronutrientes e nitrogênio, além de incorporar substâncias químicas e microorganismos benéficos às plantas. Por isso, se você tiver um espaço disponível, faça um composto com as sobrasI de vegetais, legumes e frutas, além do estrume do cavalo e das aparas de gramas e plantas do jardim.

Tuesday, April 17th, 2012 | Author:

A cochonilha tem aparência de neve e pode infestar todas as partes da planta. As plantas hospedeiras dessa praga são muitas. As formigas são perigosas, pois carregam as cochonilhas de uma planta para outra e as protegem de seus inimigos naturais, como a joaninha. Por isso, muita atenção com elas.
Pode as partes afetadas da planta; se necessário, remova todos os exemplares de alpínia comprometidos.
Também se necessário, faça um controle químico aplicando malathion, conforme recomendação do fabricante especificada na
embalagem.
Verifique, ainda, a vegetação do entorno, principalmente as que são muito apreciadas pelas cochonilhas, como: hibisco (Hibiscus sp), alamanda (Allamanáa sp), abutilon (Abutilon sp), acalifa (Acalypha sp) e café-de-salão (Aglaonema commutatum).

Friday, April 13th, 2012 | Author:

Qual a mistura de adubo ideal para plantar azaléia, orquídea simples e bico-de-papagaio?
Você escolheu três plantas muito ornamentais, que com certeza chamarão a atenção para o seu jardim. E importante esclarecer que no momento do plantio a planta não precisa receber dose alguma de adubo, mas sim uma terra adequada para que se adapte a sua nova condição e se desenvolva.
A azaléia adapta-se a qualquer tipo de solo, mas para intensificar a floração, plante em 2 partes de terra comum de jardim, 1 parte de areia e 1 parte de composto orgânico.
O bico-de-papagaio pede um solo mais arenoso, com boa drenagem:
1 parte de terra comum de jardim, 1 parte de terra vegetal e 2 partes de areia.
Já a orquídea varia conforme o grupo a que pertence: as epífitas agarram-se em galhos, pedaços de madeira ou placas de fibra de coco; as terrestres preferem solo argiloso, rico em matéria orgânica; as rupícolas fixam-se em pedras. O ideal é pedir tais esclarecimentos ao fornecedor, no momento da aquisição da planta.
Quanto à adubação, esta deve ser rica em fósforo, para os três casos.