Tag-Archivo para » paisagismo e jardim «

Friday, June 07th, 2013 | Author:

Reposição de energia:
De todos os aconchegantes espaços reservados para o verde, um tem valor especial. Concebido em um dos níveis mais altos da propriedade, o jardim garante momentos de tranqüilidade e contemplação. A localização, de acordo com Abbud, atende aos desejos do proprietário de possuir um jardim privativo. “Um local de uso exclusivo do casal”.
Em meio a espécies como bambu-mosso (Phyllosta-chys pubecens), cicas (Cycas revoluta), ligustro arbustivo (Ligustrum sp.), tamareira de jardim (Phoenix roebelenii), palmeiras e fórmios (Phorrnium sp.), o banco de madeira se destaca como um convite permanente ao descanso. Posicionado estrategicamente no centro da área e sobre o caminho de pedras, permite um contato íntimo e relaxante com a natureza – um espaço ideal para repor as energias no final de uma tarde, de onde, com a proteção da mata, é possível ver ao longe os arranha-céus de São Paulo.

Saturday, February 11th, 2012 | Author:

PARA  QUEBRAR  O BRANCO, NADA MELHOR QUE O COLORIDO DOS JARDINS.

A reforma paisagística da clínica médica trouxe ao ambiente toques de alegria e aconchego, sentidos que afloram desde a entrada do local, onde o jardim principal dá as boas-vindas.

De uma parceria feita entre três estudantes de paisagismo nasceu este projeto. Elizete Pereira, Regina Prezotto e Amara Santos não pouparam esforços para reformar os jardins da clínica médica Crya, localizada em São Paulo. Executado recentemente, o trabalho garantiu mais vida aos ambientes externos e internos do local que conta com três pavimentos.
Logo na entrada, o jardim principal feito sobre a laje da sala de ultra-som traz um detalhe curioso: o projeto arquitetônico do local teve a preocupação em manter uma palmeira que passa por esta sala, atravessando a laje e compondo o projeto paisagístico acima.
Ao redor da palmeira, outras espécies complementam a paisagem, entre elas cróton, bromélias, clorofíto, nandinas, azulzinha e pingo de ouro. Vasos com verbena e onze-horas também fazem parte do conjunto.
O contorno das espécies foi feito em ziguezague com grama-azul e adornado com duas pedras de tamanho médio. A presença da grama-esmeralda como forração também é significativa, embora ainda não tenha alcançado pleno desenvolvimento.
Em uma das laterais do jardim a espécie coroa-de-cristo, com acabamento em brita, trouxe um toque de rusticidade ao ambiente. Além disso, lascas de madeira foram colocadas entre as plantas.
Na entrada da garagem, um estreito canteiro que antes era habitado por murtas recebeu atenção especial. “Retiramos as antigas espécies, trocamos toda a terra e plantamos somente ixoras”, diz Elizete, acrescentando que o desejo desta mudança partiu da proprietária da clínica. Apenas uma palmeira foi mantida neste canteiro, que ganhou o mesmo acabamento do jardim principal: lascas de madeira e bordas feitas em grama-azul.
Nos corredores internos, os jardins são a atração
Ao percorrer o pavimento térreo da clínica, dois jardins vistos através de paredes de vidro chamam a atenção. A iluminação natural foi complementada por luminárias que ajudam a destacar as espécies. Segundo Elizete, o ambiente exigia plantas que resistissem bem à umidade e temperaturas altas, já que a área foi destinada também a acomodar equipamentos de ar condicionado.
No cenário natural de um dos jardins, algumas rafis fazem fundo para moréias, lírios-da-paz, copos-de-leite, peperônias varie-gatas e marrons, três bromélias e um bambu mosso. Como acabamento foram utilizados pedriscos e seixos brancos.
O outro jardim, embora mantenha o mesmo estilo paisagístico do primeiro, ganhou mais algumas espécies como a ardízia -disposta em suas laterais – e exemplares de podocarpos.
Fonte d’água distrai o paciente na saia de espera
Nada mais agradável que o barulhinho da água entre o jardim para prender a atenção do paciente que aguarda o atendimento. Implantado nos mesmos moldes dos outros jardins internos, ou seja, com iluminação natural e visto através de paredes de vidro, o “jardim da Sala Vip”, como é chamado pelas paisagistas, conta com um atrativo a mais em sua composição: a fonte d’água confeccionada em pedra.

Para acompanhar a principal proposta deste ambiente, cujo tema é a água, a planta aquática mini-papiros ganhou um destaque especial. Bromélias exóticas, asplenium e bambu mosso ajudam a compor o visual agradável.
O musgo foi a espécie escolhida para a forração, enquanto o acabamento foi feito em pedrisco bege. Na mesma sala, uma cesta de cipó trançado com vários tipos de bromélias harmoniza ainda mais o espaço.